Blog

Tudo sobre ROI e Agilidade

Confira o resumo do segundo episódio do nosso videocast com especialistas de agilidade

Tudo sobre ROI e Agilidade

7/04/2022
Partager:

No segundo episódio da nossa série de videocast, abordamos um assunto relevante: o retorno sobre investimento em projetos e implementações de gestão ágil nas empresas, o ROI da agilidade (ROI – return on investment, na sigla em inglês). Os convidados da vez foram Fernando Ruano, Líder do LACE da Meta, Ricardo Miluzzi, Business Solutions Engineer da Meta e Eduardo Souza, Gerente de Agilidade da DASA. Com mediação de Caroliny Viel, Coordenadora de Gestão de Mudanças da Meta. A transmissão aconteceu no início da noite de terça-feira, 22 de março, e abordou o que os investidores e executivos esperam da agilidade, bem como o porquê uma empresa deveria investir para ter uma mentalidade mais ágil.
A conversa começou com a pergunta mais importante: o que é ROI? Que foi respondida por Ruano. O agilista explicou que quando um investimento é feito, consequentemente, há a espera por um retorno, o qual pode vir por diversas fontes como serviços ou produtos. Já em relação ao retorno da agilidade, esse seria o tema debatido entre a mesa. Além disso, é importante lembrar quem são os investidores que esperam por esse resultado, pontuou Eduardo. Antes de pensar no motivo para uma empresa ser ágil, deve-se pensar antes em seus clientes. Muitas vezes quando o tema é agilidade, o que costuma vir a mente são os times dev’s — quem executa os projetos — às vezes um gestor, mas quem é quase sempre esquecido é o investidor. “Teve um caso uma vez com um cliente que eu atendia, estávamos fazendo um trabalho lá e um dos investidores disse ‘Mas e aí, quando que acaba isso? Quanto tempo mais eu vou ter que gastar dinheiro?’ aí eu até brinquei e falei ‘isso nunca acaba’. A pessoa se espantou e questionou e aí eu disse ‘vocês que vão continuar a jornada de transformação de vocês’. Então, depois de atingir o ROI proposto, a empresa continua no caminho”, contou Fernando.

A definição do investimento ou a previsão de quando o ROI será atingido, em geral, são pautados pelo resultado, o que é um erro. A agilidade não é o objetivo final, é o meio para o alcance dos objetivos. Miluzzi citou um estudo que diz quais são as razões para adotar agilidade no negócio. Primeiro é o aumento na produtividade, segundo é a aceleração das entregas, depois vem o aumento da capacidade de mudanças da organização, a promoção de melhoria contínua na empresa e, por último, o aumento da qualidade. Então, um resumo do porquê adotar agilidade seria a mescla da otimização de processos com a avaliação de um mercado novo e o lançamento de novos produtos. Assim, movimentar a empresa em direção a um futuro desconhecido.
Uma mudança organizacional pode levar de dois a cinco anos para ser considerada bem-sucedida, mas não é preciso esperar o fim do processo para medir o ROI. Pelo contrário, uma empresa faz um investimento e precisa entender depois de quanto tempo esse retorno vai surgir. A grande sacada é conseguir gerar os resultados cada vez mais rápido e cada vez se preocupando mais com o negócio.
Até no retorno de investimento as pessoas são peças fundamentais. Não adianta ter uma entrega perfeita e não olhar para o fator humano. Algumas métricas essenciais para um time atingir seus resultados são: satisfação do time, produtividade do time, satisfação do cliente e o custo que aquele time tem. Porém, na conversa, Eduardo pontuou que volume não é sinônimo de qualidade, e produtividade não quer dizer volume. Não adianta entregar um monte de projetos se não sensibilizar o indicador de produto.
Até aqui o assunto foi de muita qualidade. Depois daqui ele supera todas as expectativas e responde diversas questões de quem estava ao vivo. Até uma resolução de suposição os participantes fizeram. Ficou com curiosidade de saber como continua?
Assista o episódio na íntegra:

Partager:

Meta IT est une entreprise avec plus de 30 ans sur le marché qui a ouvert ses opérations en Amérique du Nord en 2020. Elle offre des conseils et des services de transformation numérique, mettant en œuvre des solutions technologiques qui accélèrent les résultats pour les grandes et moyennes entreprises à l'échelle mondiale et aidant les organisations et les entreprises à repenser et mettre à jour leurs modèles économiques. L'entreprise planifie et exécute des projets qui simplifient le parcours de transformation numérique de bout en bout grâce au conseil stratégique, au développement de logiciels, au maintien des applications, aux technologies SAP, à l'automatisation, également connue sous le nom de RPA, à l'augmentation du personnel et aux équipes agiles.